Cidade partida, um conceito que ainda dá o que falar

Plateia e iniciadores debateram o conceito "Cidade partida" (Foto: Alex Forman)

A orelha de Zuenir Ventura deve ter ardido na manhã do dia 25 de agosto. O conceito que batizou seu emblemático livro Cidade Partida, de 1993, apareceu diversas vezes na conversa.

Primeiro, foi citado por Faustini e Claudius de uma forma crítica.

Faustini: “Eu acho que esta cidade não é partida, nunca foi. Os pobres sempre estiveram na vida da Zona Sul, como guardador,como doméstica, atendendo a expectativa da classe média”.

Claudius: “Cidade partida é uma interpretação do Zuenir. Nestes quase 20 anos acho que isso não existe mais”.

Ao longo do papo, entretanto, vozes dissonantes começaram a aparecer. Alguém da plateia lembrou que são poucas as pessoas que fazem a ponte entre os diferentes universos da cidade. A jornalista Anabela Paiva defendeu o conceito: “Acho que a prova de que ele foi forte e oportuno é a sua capacidade de gerar mobilização contrária. Zuenir identificou um sintoma que incomodava e as pessoas até  hoje querem superá-lo. É uma marca de comunicação, um mote”.

Faustini resumiu a situação com exemplos: “Ao mesmo tempo que é uma cidade integrada, que tem conversa da empregada com dona de casa, é extremamente desigual nos direitos. Isso o conceito ajudou a pensar. A gente convive na rua, no bloco, no carnaval, na praia, mas na hora de dividir os direitos, os editais, o acesso, aí as oportunidades são totalmente diferentes”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s