Debate a “cidade e suas águas” em frases

Foi quente o debate sobre água no Rio de Encontros do dia 16/07, no Studio X. A seguir, algumas frases em destaque dos provocadores Pedro Rivera e Paulo Canedo e da plateia, no debate logo depois das apresentações.

As fotos são de Davi Marcos, agência imagens do povo.

O RIO E A ÁGUA

22_07_2015_14_45_29

A cidade do Rio se construiu nesse embate com as águas, que têm uma importância enorme na conformação urbana e na maneira de ser da cidade – Ilana Strozenberg

Diferente do que a gente imagina, a paisagem do Rio é muito construída, não é natural. A linha costeira do Rio de Janeiro é artificial. Nossa cidade é construída em cima das águas, desmontando morros, fazendo aterros. Para produzir essa geografia, é uma história de embate do homem com a natureza. Como o homem é parte da natureza, a alteração que produz passa a fazer parte dela também. – Pedro Rivera

Para mim, o arquiteto mais importante da cidade é um paisagista, o Burle Marx, que desenhou nossa orla, projeto de um homem, que conseguiu ter uma excelência tão grande como a natureza – Pedro Rivera

Quando a gente vê o mapa dos morros e dos aterros do Rio, é muito fácil entender porque a gente sofre dos males que sofre – Pedro Rivera

CRISE HÍDRICA

A gente vive uma crise hídrica, que São Paulo está só um pouco mais à frente. Mas a gente vai ter problema para tomar banho também – Pedro Rivera

Em 2013, os meteorologistas diziam que 2014 parecia ser um ano seco. Quem tem o mínimo de prudência deveria avisar todo mundo e começar um racionamento. São Paulo não procedeu assim. Pelo contrário. Negou. E não deu certo – Paulo Canedo

ABASTECIMENTO DO RJ

Mais da metade do Estado do Rio de Janeiro está dentro da bacia do Paraíba do Sul. A capital não tem água. Ainda assim, o Paraíba do Sul não é capaz de atender todos os demandantes – Paulo Canedo

A água do Paraíba do Sul é do brasileiro. Deus fez o rio para o mundo. Todo brasileiro tem direito.- Paulo Canedo

HIDRELÉTRICA

22_07_2015_14_55_38

Aquela obra da hidrelétrica dos anos 1940 que gerou a CEDAE, era importante para aquela época. Não tem importância nenhuma para 2015. Hoje, essa lâmpada aqui pode estar sendo acesa com luz produzida no Sul ou na Amazônia. A energia brasileira é nacional, e não mais local. O Brasil é um sistema interligado que é um dos nossos orgulhos – Paulo Canedo.

SANEAMENTO

Cada um tem um mantra na vida e eu não vou dormir em paz se não passar o meu pra vocês, que é sobre o saneamento: o Brasil tem 56,5 milhões de casas. 85% delas têm cano de água potável chegando nela. Dessas, 48,9% têm cano de esgoto saindo, sem coleta. Em nenhum país minimamente decente tem esse número menor que 95%. Peru, Paraguai, Argentina, Colômbia, todos os países da América do Sul são melhores que o Brasil, que é mais rico. Ou seja: isso não é falta de riqueza, mas de vergonha. – Paulo Canedo

A maior estação de tratamento do Rio é a do Fundão, que coleta o esgoto do Centro, mas os canos não chegam lá. Por isso, a Baía de Guanabara é o que é e nossos corpos hídricos são o que são.- Paulo Canedo

No Borel, todos os canos passam por valas e valões. Não preciso ser sanitarista ou engenheiro para entender que isso é um absurdo. Já teve caso de hepatite por causa de água misturada com esgoto. – Igor Soares

TRANSPORTE PELA ÁGUA

22_07_2015_15_39_20

Como você vê o transporte para o futuro? A Baía de Guanabara é subutilizada nesse ponto, por vários municípios, como São Gonçalo, que não tem bom transporte. Há alguma saída para o transporte utilizando a Baía de Guanabara? – Gê Vasconcelos – Norte Comum/Maré

Meu avô tinha um loteamento em São João de Meriti e minha avó falava pra gente que os barcos chegavam ali. Voltar ao passado não é regredir, mas é voltar para o futuro. Fui alimentada com água de chuva e nascente. – Lia

REVITALIZAÇÃO & REFLORESTAMENTO

Se a gente conseguiu fazer reflorestamento na segunda metade do século 19, não tem argumento de que não se possa fazer isso hoje. As dificuldades são maiores, mas os recursos também – Pedro Rivera

E a revitalização dos rios Botas e Sarapuí? Vocês acreditam em alguma solução? Boa parte do esgoto é despejado nesse rio da Baixada, que transita por vários municípios de lá e do Rio. Existe essa cooperação entre os municípios e governos para tratar esses rios? – Marcão Baixada – Enraizados

ÁGUA NAS FAVELAS

Conheci seu Zé Mineiro, um dos primeiros manobristas de água no Alemão. Ele conhece cada cano. Na favela, os gestores da água são os manobristas. Foi um mutirão da época do Lacerda que botou água lá e depois as pessoas foram puxando para suas casas. Uma das pessoas que entrevistei disse para mim que ela era muito rica porque tinha água em casa. ‘Antigamente, a gente andava quilômetros até a Penha para conseguir água’, ela me disse. E o Alemão tem 200 mil pessoas vivendo lá e sempre tem água – Helcimar Lopes – Complexo do Alemāo

COLETA ALTERNATIVA

Pela CONAMA, parece que a gente não devia nem andar na chuva. Mas a gente pode diminuir a demanda de água potável, utilizando a coleta de água de chuva, que pode ser muito viável. – Pedro – Coletivo Águas de Março

Há formas alternativas de coleta de água. O telhado do Aeroporto Santos Dumont é preparado para coletar água de chuva e grande parte da água do aeroporto vem dessa coleta.- Juliana de Carvalho – produtora cultural

RIO CARIOCA

Queria fazer um apelo a todos: o Rio Carioca tem 4,5 km de comprimento e grande parte dele é coberta. Vamos descobrir o rio como parte das comemorações dos 450 anos, e vamos ajudar quem quer que seja para fazer isso – Leona Formam

CEDAE

A CEDAE diz que passou oito anos ou mais saneando suas finanças. Conseguiu um prédio maravilhoso e, por isso, não conseguia empréstimo para investir no sistema de distribuição de água. E por isso a manutenção não tem sido feita também. O senhor acredita nisso? – Julia Michaels

Caixa d’água só tem no Brasil. É jabuticaba, invenção de Dom João. Se a CEDAE interromper o fornecimento, ninguém aqui sabe. Quem conversa com a CEDAE é a caixa d’água. Não temos controle social sobre a CEDAE, SABESP e equivalentes – Paulo Canedo

Mas tem a questão da universalização, como se todo mundo tivesse acesso à agua, o que é falso. Em Caxias, na Baixada Fluminense, não tem cano da CEDAE. Se falar disso sem falar que uma galera não tem acesso à água, a gente reproduz desigualdade. E sobre o saneamento, a grande saída do governo do estado é fazer Parceria Público-Privada, a PPP, na Baixada e no Leste Metropolitano. É uma boa saída resolver a questão do saneamento assim? Henrique Silveira – Casa Fluminense

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s