Rio de Encontros sobre drogas em frases e fotos

Julita Lemgruber, Christiane Sampaio e Alessandra Oberling: drogas em debate no Rio de Encontros / Foto: Paula Giolito

Julita Lemgruber, Christiane Sampaio e Alessandra Oberling: drogas em debate no Rio de Encontros / Foto: Paula Giolito

Três mulheres, o mesmo tema, uma plateia ávida por fala e um debate inflamado. O Rio de Encontros da terça-feira, 29 de abril, reuniu a socióloga Julita Lemgruber, coordenadora do Centro de estudos de Segurança e Cidadania (CESeC), a psicóloga Christiane Sampaio, da Secretaria Municipal de Saúde, e a antropóloga Alessandra Oberling, da rede Pense Livre,  para uma conversa além de necessária. No centro da discussão, o tema “Drogas: respostas alternativas e políticas públicas”.

Para ver as fotos do encontro, clique aqui

Confira as frases que pontuaram as quase três horas de debate:

“Da justiça à democracia, o tema nos atravessa. Não dá para pensar as questões da cidade sem passar pelas drogas”
Ilana Strozenberg

“O resultado da guerras às drogas foi um fiasco. Nos países latinos, as consequências foram ainda mais graves. Resultou em encarceramentro de populações negras e pobres, e no fortalecimento do tráfico”
Alessandra Oberling

“O Rio está vivendo um momento tão dramático que não há como falar sobre política de droga sem discutir o que ocorre na cidade”
Julita lemgruber

“A cidade está literalmente pegando fogo. A polícia é violenta, entra e sai, troca tiro e provoca morte de pessoas. O que está acontecendo? tem algo mais que a gente não percebe?”
Julita Lemgruber

“Não vamos nos enganar. A questão não é o uso, mas o abuso dE drogas”
Julita Lemgruber

“As drogas sempre existiram e sempre vão existir”
Julita Lemgruber

“A redução de danos é um olhar que não exclui a droga. O médico e a enferemeira não dizem mais que você tem de usar drogas para ser feliz”
Christiane Sampaio

“Não inventemos outras rodas. O que se pode trazer das políticas internacionais é a forma de olhar o problema”
Christiane Sampaio

“O tabu que a proibição causou nos últimos anos levou à falta de informação das mais básicas às mais complexas”
Alessandra Oberling

“A escola expulsa (o aluno) por qualquer comportamento fora do padrão de normalidade”
Christiane Sampaio

“A gente está pronto para legalizar?”
Marcão Baixada

“O exemplo do tabaco nos mostra: esse país é esculhambado no que quer ser. O Ministério da Saúde conseguiu implantar uma política decente contra o cigarro. O governo precisa querer, mas vai querer se nós, sociedade, quisermos”
Julita Lemgruber

“A internação (dos usuários) não é a salvação. O buraco é muito mais embaixo.”
Christiane Sampaio

“Maconha não é cool”
Rhayana Gonçalves Sousa, estudante da ESPM

“O Brasil tem uma violência letal inaceitável para uma sexta economia do mundo”
Julita Lemgruber

“O que está por trás da violência é a guerra às drogas”
Julita Lemgruber

“Não há resposta para todas as questões, mas há a certeza de que o que temos não está funcionando”
Julita Lemgruber

“Já tentei levar viciado para a escola, a escola não aceitou. O estado fecha todas as portas”
Raquel, do Providenciando

“Existe interesse político por trás das comunidades terapêuticas. Algumas fazem trabalho sério, outas são puro interesse monetário”
Alessandra Oberling

“A liberdade é terapêutica”
Christiane Sampaio

“Há meia dúzia de pessoas lucrando porque a droga não é legalizada. Mas não é essa meia dúzia que vai para a cadeia”
Julita Lemgruber

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s