Frases e fotos do Rio de Encontros

 

Encerramento do Rio de Encontros 2013 / Foto: Marco Sobral

Encerramento do Rio de Encontros 2013 / Foto: Marco Sobral

Como as forças policiais podem conciliar a garantia da ordem e da segurança com o direito à participação democrática? Por onde começar a mudar a estrutura da segurança pública no Rio de Janeiro e no Brasil? No Rio de Encontros sobre “Violência, polícia e direito à cidade”, realizado na terça-feira, 12 de novembro, as opinões e embates foram muito além do papel da polícia.

VEJA AS FOTOS DO ENCONTRO

Confira algumas das frases que pontuaram a manhã na Casa do Saber Rio – O Globo, no evento que contou com a participação do coronel da Polícia Militar do Rio de Janeiro, Ibis Silva Pereira, e do delegado de polícia civil Orlando Zaccone D’Elia Filho, secretário-geral da LEAP Brasil (Agentes da Lei Contra a Proibição) e autor do livro “Acionistas do nada: quem são os traficantes de drogas”.

“Pelo menos 50 mil pessoas morrem assassinadas por ano no Brasil. É o número mais alto do mundo em termos absolutos. O quinto em taxas de homicídio. Como e por que o país convive com isso?”
Silvia Ramos

Todos os dias, cinco pessoas são mortas pela polícia no Brasil”
Silvia Ramos

Ser um policial pensante é um primeiro passo para mudar a experiência da relação da polícia com a sociedade no Brasil
Orlando Zaccone D’Elia Filho

“Uma polícia que não pensa está cada vez mais atrelada a interesses políticos e mais distante da sociedade”
Orlando Zaccone D’Elia Filho

Discordo dessa tese. Defendo que existe uma política na gestão da decisão sobre a vida e a morte”
Orlando Zaccone D’Elia Filho

Pobre é potencialmente criminoso, é isso que significa dizer que nessas áreas a violência é mais possível”
Orlando Zaccone D’Elia Filho

“A escravidão é uma marca no Brasil que pode caracterizar a nossa matriz violenta. Não é só a polícia. Nós precisamos olhar para essa questão e aprofundar o debate”
Orlando Zaccone D’Elia Filho

“O número 50 mil não sai da minha cabeça. Que tipo de humanidade produz essas cifras? São homicídios dolosos. Os de trânsito são mais 40 mil. Os estupros são 50 mil. Meu Deus, que tipo de humanidade produz isso?  E o que isso faz com a nossa humanidade?”
Ibis Silva Pereira

“Precisamos desmilitarizar nossa lógica de enfrentamento do crime e pensar segurança do ponto de vista da prevenção”
Ibis Silva Pereira

Na favela, ou você mata ou você morre, o ideal é que você mate”
Igor de Sousa Soares

Será que 50 mil mortos é o que se conseguiu matar? Se mais pudéssemos, mais seriam mortos?”
Zeca Borges

Não posso concordar que a polícia vai ser canal de viabilizar política pública em lugar algum do mundo. Não podemos ter o fetiche de que a polícia vai ser porta de entrada para política pública na favela”
Orlando Zaccone D’Elia Filho

O Amarildo é um marco da necessidade de desqualificação da vítima. Não ser cidadão legitima qualquer ação”
Orlando Zaccone D’Elia Filho

Policiais e negros vêm do mesmo extrato dos traficantes. Não à toa que todos são vidas matáveis”
Orlando Zaccone D’Elia Filho

Durante todo o século XIX convivemos com uma constituição liberal, mas que admitia a escravidão. Em nenhum lugar dela a palavra escravidão aparece. Sobre essa base nós construímos a nossa república”
Ibis Silva Pereira

“O policial deve aprender a usar o fuzil, mas o olho dele não pode brilhar quando ele está com esse fuzil. A violência corrompe a alma de quem a usa. O que a escravidão fez com as nossas almas? Não tenho dúvidas de que ela nos corrompeu”
Ibis Silva Pereira

Por que matam-se mais negros que brancos? Isso não é um genocídio?”
Letícia de Freitas

O policial permanece na comunidade e passa a ser corrupto. Ele entra como segurança e sai como traficante”
Paulo César Valério

Estou parada na fala de que quando entramos na onda dos direitos humanos aumentou a letalidade”
Teresa Guilhon

Eu acredito na poesia. A gente precisa disso no país como um todo para dar conta desse nosso humanismo que talvez se precise reconstruir”
Ibis Silva Pereira

É em pró da vida que se realizam os maiores holocaustos e genocídios da história”
Orlando Zaccone D’Elia Filho

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s