Uso da força

– Quando o prefeito fez o decreto do uso da força, dei uma entrevista em que falei que ele estava fazendo o decreto tarde.  Nós já estávamos usando a força para retirar pessoas de áreas de risco – lembrou William Oliveira, referindo-se à decisão de Eduardo Paes, anunciada após as chuvas de abril, que mataram mais de 200 pessoas no Estado do Rio.

William contou que já retirou à força algumas pessoas, que teimavam em ficar em áreas de risco.

– Ficaram com o maior bico. Agora, que estão com suas casas, quando me vêem na rua, agradecem.

Em 2009, William estava entre outros líderes comunitários e representantes do governo estadual na reunião que apresentou à imprensa o projeto do Parque Ecológico da Rocinha, uma área de lazer que pretendia conter o crescimento da Rocinha em direção à mata. O projeto incluía um polêmico muro, que estabeleceria um limite físico para a comunidade.

– Fui muito crucificado por dizer que era favorável – lembrou William.

O projeto previa a relocação de 80 famílias, entre elas as do Cobras e Lagartos. William apoiou o deslocamento:

– Lá só tinha barraco de madeira, nao tinha casa de alvenaria. O barraco mais caro valia uns R$ 4 mil. Eles iam ganhar uma casa de uns 10 mil reais dentro da Rocinha. Então eu fui favorável.

Também houve resistência de alguns moradores na mudança. William insistiu e hoje comemora. Boa parte das construções do Parque Ecológico foi destruída pelas chuvas de abril.

– Imaginem se ainda estivessem lá aqueles barracos sem condição nenhuma. Teríamos outro Morro do Pumba.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s